“RIO: Zona de Guerra” nos cinemas

Tenho uma notícia bacana que finalmente posso compartilhar com os amigos, agora que não serei eu fazendo a primeira divulgação, visto que meu contrato tem cláusula de sigilo.

O meu livro “RIO: Zona de Guerra” caminha para se tornar filme, conforme foi divulgado hoje pela Aline Riscado, em 18/04/2015, no Programa do Jô (Soares).

Contrato de venda dos direitos literários para o filme assinado e roteiro em produção. Maiores detalhes eu deixo por conta da Aline na própria entrevista. Sugiro que assistam a entrevista inteira, pois é boa, mas os mais apressados podem ir mais ou menos até 10:20 para ver quando ela solta a bomba, bem no finalzinho.

Agradeço aos amigos (antigos e recentes da IV Odisseia de Literatura Fantástica) se divulgarem que, em não muito tempo, teremos filme nacional de ficção com pegada cyberpunk nos cinemas.

Abraço especial e congratulações ao amigo/editor Artur Vecchi e ao já amigo/diretor Alexandre Klemperer. Vamu que vamu!!!

Feliz pra caramba de poder dividir isso com vcs!!!

http://gshow.globo.com/programas/programa-do-jo/videos/t/videos/v/jo-soares-entrevista-a-bailarina-aline-riscado/4118710/

Anúncios

Vida longa e próspera! Branquinho has left the building…

<O homem negro digita freneticamente no ultrapassado teclado de computador. Seu corpo musculoso balança ritmadamente ao som de uma banda esquecida e seus lábios repetem as palavras que ele insere no texto, como num ditado ao contrário que ele pratica consigo mesmo>

“não quero saber o que tu acha da rede antiga PONTO ela é mais segura que a rede corporativa PONTO o que você tá me pagando pela arma não inclui eu arriscar meu pescoço e ser pego pela corporação de quem eu desviei essa coisa PONTO não quero saber se tu tá acostumado ou não a digitar ao invés de usar um holovisor PONTO

/ENTRADA DE RESPOSTA DO OUTRO USUÁRIO/

sim PONTO já tá comigo há um tempão PONTO é um spear com tecnologia de infravermelho PONTO terra a ar operável por um só homem PONTO você mira e trava no alvo PONTO ele faz o resto PONTO

/ENTRADA DE RESPOSTA DO OUTRO USUÁRIO/

porra nenhuma de troca PONTO eu quero os créditos que combinei PONTO você sabe onde minha loja fica aqui no méier PONTO é só aparecer com seu bpm e fazer a transferência que você leva a arma PONTO agora eu vou desligar que já estou há muito tempo online PONTO vida longa e próspera PONTO branquinho has left the building PONTO”

<Ele dá um toque na tecla enter e se vira na cadeira de rodinhas, imediatamente se juntando à letra da música com a voz grave e o sorriso aberto>

“…são dedicados a alguma atividade marginal e impressionam quando aparecem nos jornais tapando a cara com trapos com uma uzi na mão parecendo árabes árabes árabes do caos. sinto muito cumpadi mas é burrice pensar que esses caras é que são os donos da biografia já que a grande maioria daria um livro por dia sobre arte, honestidade e sacrifício… sacrifício… arte, honestidade e sacrifíííciooooooooooo…”

You’ve got a new holo…

“O gás característico dos holovisores começou a ser aspergido diretamente de uma abertura no centro da mesa, formando uma espiral que subia até uns sessenta centímetros da superfície. Era um holovisor de modelo antigo, portanto, quando a luz projetada de baixo começou a usar o gás como veículo para formar as imagens tridimensionais, o resultado não era o mais nítido ou real possível.”

Meu nome é Carlos Freitas…

<O veículo gasoso sobe em espiral enquanto a projeção holográfica começa a revelar o homem acima do peso e com a barba por fazer. Ele olha diretamente para você e aguarda alguns segundos antes de começar a falar>

“Se você está sentado confortavelmente em uma poltrona, num dos edifícios corporativos dentro da fronteira, pode parar por aqui. Este holo não é pra você.

Esta mensagem é para os milhões de excluídos que foram abandonados à própria sorte do lado de fora. É para aqueles cuja única justiça possível é aquela que conseguem providenciar com as próprias mãos e com o cano fumegante de uma arma.

VOCÊS NÃO ESTÃO SOZINHOS!!!

Com poucos créditos você pode ter os serviços de um detetive com ampla experiência em investigações dentro da fronteira e na Zona de Guerra.

Se você tem algum problema, se ninguém mais puder ajudá-lo e se conseguir me encontrar, talvez consiga contratar o Detetive Carlos Freitas…”

<O homem termina o texto e fica parado, piscando e olhando diretamente para a câmera. Após algum tempo se move com incerteza e olha para o lado com um ar irritado>

“Caralho, Branquinho! Que viadagem é essa no último parágrafo??? TÁ RINDO DO QUÊ, PORRA!”

CARD